Relatos Pessoais

Publique aqui seu depoimento, sua experiência pessoal com os ataques de pânico & ansiedade. Fale sobre técnicas alternativas e/ou procedimentos adotadas para conviver melhor com o problema.

 

Deixe um comentário na caixa abaixo.

23 comentários a “Relatos Pessoais

  1. Maria Costa

    Bom dia. Gostei do blog e venho deixar o relato do que me aconteceu. Tenho ansiedade e ataques de pânico já a alguns anos (cerca de 4) já passei por várias fases, com sintomas diferentes e já mudei várias vezes a medicação. Estou a ser seguida no psiquiatra e tomo antidepressivo e ansiolítico. Apesar de admitir que já passei por fases piores, nunca consegui ter a vida que tinha antes. Tenho dificuldade em fazer desporto e estou sempre com medo de ter um ataque de pânico. Tenho muitas vezes dor no peito e vejo constantemente o pulsação. Espero sinceramente conseguir ultrapassar isto mas não está mesmo nada fácil!

    Responder
    1. Ansioso Autor do artigo

      Olá Maria, ainda bem que gostaste. A verdade é que muitas pessoas sofrem de ansiedade e é tudo mais fácil quando falamos por pessoas que já passaram ou estão a passar pelo mesmo que nós. Temos de aceditar que somos capazes de ultrapassar estas fases mais difícei. O primeiro passo é começar a enfrentar os nossos medos!

      Responder
  2. João Silva

    Olá! Também sofro de ansiedade há algum tempo e estou medicado, mas afeta muito a minha vida. Para além dos sintomas que normalmente já tinha, há alguns meses comecei a sentir extrassistoles. É horrível, parece que o coração vai parar e agora ando sempre com medo e ainda com mais ansiedade. Sinto todos os dias, mesmo quando estou deitado. Foi ao médico e receitou-me inderal, mas não me sinto bem com o medicamento. Há alguém que sinta o mesmo?

    Responder
    1. Ansioso Autor do artigo

      Olá João. Não és mesmo o único. é muito comum que pessoas que sofrem de ansiedade se queixem de arritmias. Também é frequente que estas aumentem a ansiedade, devido ao medo que provocam de desmaiar ou ter um ataque cardíaco. Aconselho a que peças ao teu médico para fazer um holter para verificar quantas arritmias tem num dia. Em relação ao inderal, possivelmente está a provocar-te tensão arterial baixa, o que te deixa com tonturas ou fraco.

      Responder
    2. paula branco

      Sim eu tenho extrasistoles a 20 anos e desde entao perdi qualidade de vida tenho medo de andar sozinha quando elas veem e larguei o desporto e as vezes quando estou nalgum sitio quando elas vem so quero fugir dali pois nao me sinto bem parece que meu coracao vai parar

      Responder
      1. Marta Reis Autor do artigo

        Ola Paula, como te compreendo…
        Já fizeste algum exame ou tomas-te medicação?
        Já sofreste de ataques de pânico por causa das extrasistoles?
        Normalmente o facto de o coração parecer que vai parar aumenta a ansiedade e o medo e provoca ataques de pânico.. o que é horrível!
        Temos de nos tentar mentalizar que é pouco provável que o coração pare mesmo… Mas é difícil quando os sintomas são intensos!
        Vai partilhando a tua experiência, é sempre bom falarmos com quem já sentiu o mesmo…

        Responder
        1. paula branco

          olá ja fiz tudo que e exames ao coração e todos os médicos me dizem que e da ansiedade extrema.deram medicação mas comprei mas nunca a tomei pois tenho receio de os tomar e ficar dependente dessa medicacao e deixar de fazer efeito.ataques de pânico ja tive imensos e horrível pois ainda com mais extrasistoles fico e recorri tantas vezes as urgências que acho que os médicos ano dissem mas pensam que sou maluca pois dizem para ir para psiquiatria .só quem as tem e que sabe o que passa e quem nunca sabe o que e isso ano entende.infelizmente noutro dia vinha de viagem sozinha numa autoestrada houve um grande choque em cadeia o trânsito parou e lá vieram elas (arritmias) e muita muita ansiedade enquanto aguardava dentro do carro aquelas horas que ali estive parada.e horrível

          Responder
          1. Marta Reis Autor do artigo

            Olá Paula.

            As extrasístoles estão muitas vezes relacionadas com a ansiedade e são terríveis porque parece que o coração vai parar a qualquer momento. Mas a verdade é que é apenas o nosso organismo está apenas a reagir à ansiedade extrema.
            Se não queres mesmo tomar a medicação que o médico recomendou, o melhor é procurares alternativas que não causem habituação. vÊ aqui algumas sugestões http://ataquespanico.pt/medicamentos-naturais-para-ansiedade . Há também algumas terapias que te podem ajudar como a psioterapia, para ajudar a lidar com a ansiedade ou a acupuntura, para ajudra a relaxar mais.

  3. Pingback: Despersonalização - O que é?

  4. Pingback: Ataques de pânico e hipocondria #2

  5. João Pedro

    Bons dias, antes de mais devo dizer que não conhecia o vosso site e estou a gostar bastante, parabéns!

    Passo a relatar o meu caso, tenho 39 anos e já sofro de ansiedade e ataques de pânico há mais de 20 anos.
    Obviamente que aos 18 ou 19 anos os problemas que tinha não têm nada a ver com os de hoje, na altura era por causa dos estudos ou mesmo em casa com os pais, mas agora, é mais por causa do trabalho e do stress diário.

    Há cerca de 3 ou 4 anos tive uma crise de vertigens muito má em que fui parar ao hospital, desde aí para cá que a minha vida nunca mais foi a mesma… tonturas, taquicardia, tremores, cansaço extremo, falta ou excesso de apetite, sensação de despersonalização, etc, etc, etc…

    Como a maior parte de vocês, já fiz todos os exames possíveis e não tenho nada de mal.
    – já andei no otorrino por causa das vertigens e nada…
    – já andei no cardiologista por causa da taquicardia e nada…
    – agora ando no neurologista por causa das enxaquecas constantes e andei a fazer uma medicação que até me ajudou, mas como o tratamento era de 6 meses – mas que no meu caso até foi prolongado para 12 – terminou , as tonturas voltaram e em força!…

    Tudo isto aliado ao facto de ser um bocado hipocondríaco o que piora as coisas… agora ando paranóico de todo…
    desde um misero tremor no dedo indicador que me acompanha há 2 ou 3 dias e que já penso que é parkinson, até ter pedido uma uma prova de esforço ao meu médico para ter a certeza que estava tudo bem (aparentemente está, mas mesmo assim….)

    Resumindo, os últimos dias têm sido para mim um verdadeiro suplício…

    Acham que vale a pena ir a um psicólogo ou mesmo a um psiquiatra?
    Confesso que não gosto muito de tomar medicação, até porque tive um histórico com algumas drogas, o que fez com que daí para cá só tomasse medicamentos em caso extremo!

    Um abraço para todos

    Responder
    1. Marta Reis Autor do artigo

      Ola João.

      Pelo que li sofres de todos os sintomas chatos associados à ansiedade, como a maior parte de nós… E a hipocondria está sempre lá, desconfiamos sempre que se passa alguma coisa grave e , lá está, a ansiedade vai aumentando. A verdade é que a unica coisa que nos alivia ligeiramente é fazer todos os exames para descartar as doenças graves, mas depois aparece uma coisa nova e lá volta a ansiedade.

      Além da medicação para as vertigens não tomaste ansiolíticos nem antidepressivos? Nunca consultaste um psiquiatra?

      Se queres fugir à medicação procura um psicologo, especialista em patologias ansiosas que realize psicoterapia. A psicoterpia tem efeitos muito positivos a diminuir a ansiedade e ajuda-nos a controlar os pensamentos hipocondrácos. Podes também experimentar a acupuntura, que vai aliviar a sensação de cansaço e talvez até as vertigens (depende da reação da pessoa).

      Os sintomas da ansiedade são muito chatos, ás vezes parece que ocupam completamente a nossa vida, mas não podmeos deixar!

      Espero que os proximos dias sejam melhores 🙂

      Responder
      1. João Pedro

        Olá Marta,

        Antes de mais obrigado pela tua resposta.

        Recentemente a única coisa que tomei além do medicamente para as enxaquecas e tonturas, foi o rivotril e que tomei apenas por um mês ou um mês e meio… é um facto que me ajudou a dormir melhor, mas o dia-a-dia foi sempre muito idêntico.

        Há uns anos atrás é que tomei outras coisas (xanax, lexotan, valium, até o valdispert que agora está muito na moda… corri vários…), mas não me dou muito bem com este tipo de medicamentos…

        Acho que vou seguir o teu conselho e tentar um psicólogo… como se diz na gíria, “tentar não custa”…

        e mais uma vez obrigado pela resposta!

        Responder
        1. Marta Reis Autor do artigo

          Olá João

          Acho que fazes bem em procurar psicoterapia…

          O grande problema desse medicação são os sintomas de abstinência, são terríveis… Portanto o melhor
          é mesmo procurar outras opções.

          Espero ter ajudado 🙂

          Responder
  6. Maria Pereira

    Olá!

    Quero partilhar convosco o meu pequeno problema com a ansiedade. Tenho 27 anos e há cerca de seis anos que tomo um Victan por dia. Na altura em que me foi diagnosticada a ansiedade, a minha médica de família sugeriu-me que o tomasse e que se me fizesse sentir bem, que o tomasse para a vida toda.

    A verdade é que realmente faz, e tomo-o religiosamente. Sou acompanhada por uma psicóloga, quando tenho alturas mais críticas, e tanto ela como eu temos noção que o comprimido neste momento está a ter um completo efeito placebo.

    Há uma semana (porque estava de férias), decidi tentar começar fazer o desmame do Victan e aconselhei-me na farmácia. A farmacêutica aconselhou-me a reduzir para metade (coisa que já fazia por vezes) e mais à noite tomar Valdispert. O problema é que esta semana tem sido muito difícil mesmo. Muito sinceramente eu acho que o problema está no Valdispert, pois em mim eu penso que gera o efeito contrário e já li que não se deve introduzir a valeriana nesta fase de desmame.

    Sei que aconselham uma redução de 10% a cada 4-5 semanas, mas eu comecei com uma redução de 50%, e gostava de não voltar atrás, apesar das grandes dificuldades que estou a ter nesta segunda semana (também já li que neste tipo de ansiolítico a segunda semana é a pior fase do desmame).

    Eu sei que tenho que ser forte e tentar aguentar-me, mas está difícil. Sei também que me vão aconselhar a ir ao médico, mas já sei que me irão dar algo de substituição.

    Acham que me conseguem ajudar de alguma forma, nesta fase da minha vida?

    Obrigada.

    Responder
    1. Marta Reis Autor do artigo

      O importante nesta fase é ter força de vontade! De facto não fizeste o desmame da forma mais correta, mas sendo que não queres voltar atrás (o que eu compreendo), tens de tentar abstrair-te dos efeitos secundários do desmame e continuar a tua vida como sempre! Procura manter as tuas rotinas habituais. Eu aconselho uma coisa: fazeres exercício, caminhada ou corrida todos os dias ao final da tarde. Ajuda muito a controlar a ansiedade.
      Se não te sentes bem com o valdispert, deixa-o de lado. Existem alguns chás mais leves que ajudam a reduzir os sintomas. tenho aqui algumas sugestões, mas podes-te aconselhar quando fores comprar.
      Espero ter ajudado, vai partilhando a tua evolução:)

      Responder
  7. Batista

    Excelente Blog…
    É a primeira vez que partilho o meu testemunho neste tipo de fórum…

    Começo por dizer que sempre achei que era o mais ansioso do mundo mas afinal e “infelizmente” acho que não sou.

    Costumo dizer em tom de brincadeira que a culpa de tudo isto foi estar a ver aquele infeliz jogo em que Feher cai inanimado no campo.(Contudo já era um rapaz mais ansioso) Naltura e com os meus 15anos começam os meus primeiros ataques de pânico.
    Desde aí e até hoje com 27 anos foram 3clinicos de medicina geral,2psiquiatras,2 psicólogos…desde aí vários foram os meus receios…de ser bipolar,de ter depressão,de ser esquizofrénico,de ter uma doença desconhecida…mas todos os clínicos com uma certeza: “não tens nada de grave,apenas e só ansiedade”…(mais recentemente diagnosticado embora o meu psicólogo não goste de rotular…agorafobia)
    Aos 16 anos começo a longa lista de medicação,valdispert,zoloft,inderal,triptizol,xanax,sedoxil,olcadil,victan…
    Desde os 16anos vários medos,vários ataques de pânico…medo de ficar louco,de perder o controlo,de nunca mais voltar a ser tranquilo,de não conseguir conduzir,de não conseguir acabar o meu curso,de não conseguir falar em público,de não conseguir ir trabalhar…uma lista enorme…

    Resumidamente…medo medo e mais medo!

    Este ano e ao fim de tantos anos quase sempre medicado decidi tentar deixar tudo (através de um psicólogo)…
    É difícil,por vezes angustiante mas é importante perceber que foram muitos anos medicado e como tal o desmame nunca é fácil mas já consegui andar 3meses sem rigorosamente nada!nem o meu fiel amigo de bolso “xanax”.
    Contudo voltei a ter uma recaída tudo por causa da Despersonalizaçao e Desrealização uma vez que neste momento é a sintomatologia que ainda me assusta e incomoda mais.Esta talvez seja a sintomatologia que me afecta mais e há mais anos dado que ainda não sei lidar bem com ela.

    Gostava de saber com vocês se já passaram por ela…se vos limita ao ponto de quase vos deixar “amarrado” a casa com o tal medo de ela não passar e passar mal à frente de alguém…

    Abraço a todos
    PS:não vale a pena dizer força (porque essa já temos) mas sim uma palavra de acreditar…que nos falta tantas vezes…

    Responder
    1. Marta Reis Autor do artigo

      Obrigado por teres partilhado o teu testemunho! Ás vezes parece que ficamos mais descansados quando vemos que outras pessoas estão a passar pelo mesmo que nós.

      De facto já deves ter passado por muito nestes últimos anos e é ótimo que tenhas mesmo consigo deixar toda a medicação.

      Esses sintomas que referes são realmente assustadores. Continuas sem tomar medicação? ainda fazes psicoterapia?

      E sim, eu acho que não falo só por mim, o pior de tudo é começarmos a deixar de ir a este ou aquele sítio com medo do que vai acontecer, de ficarmos mal à frente de outras pessoas ou de não conseguir fugir. Temos de lutar contra isso e acreditar que vamos conseguir!

      Responder
  8. Nuno Santos

    Bom dia a todos. O meu caso está relacionado com dois episódios de ataque de pânico em Julho/2014.
    Em 09/2012 tive um acidente de carro que me deixou alguns problemas na cervical. As cervicalgias tornaram-se habituais. Creio que o cansaço físico, de meses sem dormir bem por causa do nascimento da 2a filha, obras em casa, salários em atraso, me levaram ao limite. Senti-me tonto, medimos a tensão e estava alta. Assustei-me e senti-me a ter um ataque qualquer. Fui parar às urgências e já tinha dificuldade em falar. Os maxilares já prendiam…
    Medicaram-me e o diagnóstico foi esse…ataque de pânico. Começou aí a minha cruz. Visitas ao médico de família, psicólogo e psiquiatra. Estabilizei com o alprazolam 0,5. Uns dias melhores outros piores. Quando a carga era demais, tomava valium 5mg. Regressei ao kickboxing mas um ano depois uma lesão mais grave obrigou-me a parar. Voltei-me para o yoga que ajuda imenso na questão de aprender a respirar e a manter a forma física. Depois de 20 minutos de meditação, fico restabelecido mas é complicado porque não posso meditar sempre que sinta essa necessidade. Aos poucos consegui deixar o alprazolam (1 ano depois) mas existem dias, ou momentos no dia, em que fico muito ansioso. A maior parte das vezes consigo controlar mas outras que tenho mesmo que tomar valium para descansar. Parece que nunca mais serei a mesma pessoa e honestamente acho que não tenho razões para andar ansioso. É isso que mais me custa.

    Responder
    1. Marta Reis Autor do artigo

      Bom dia. A verdade é que a ansiedade nos muda mesmo, só o facto de passarmos por isso faz-nos ver as coisas de forma diferentes. É optimo que a meditação o ajude a controlar os sintomas ansiosos! Não sei se alguma vez experimentou a psicoterapia, mas muitas vezes é útil para nos ajudar a perceber o que está na origem da nossa ansiedade. Pode também experiemntar um substituto natural para as alturas em que se sente mais ansioso ou não consegue descansar. Tenho algumas sugestões aqui http://ataquespanico.pt/medicamentos-naturais-para-ansiedade/

      Responder
  9. Italo Lima

    Tomei durante 1 ano diazepam, por falta de sono. Comecei a testar com melatonina a 1 semana e está funcionando bem, porém os tremores e dificuldade do concentração são gigantescos. Que diminuem quando tomo Rodhiola ao dia… Mas a inquietude permanece… Devo continuar a tomar melatonina e rodhiola ?

    Responder

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *