Arquivo mensal: Setembro 2015

Combater os Pensamentos Negativos

É muito frequente as pessoas que sofrem de ansiedade serem constantemente inundadas de pensamentos negativos.

Estes pensamentos preendem-se com diferentes coisas dependendo do que amis afeta as pessoas. Para as pessoas hipocondríacas os pensamentos amis comuns são sobre doenças. Para as pessoas que sofrem de fobia social, os pensamentos são geralmente relacionados coma humilhação que podem sentir no meio das outras pessoas. Estes pensamentos aumentam os graus de ansiedade e prejudicam a vida da pessoa, pelo que é necessário controlá-los.

Existem algumas estratégias para controlar estes pensamentos mas, se estes forem muitolimitadoes, por vezes é necessário recorrer a psicoterapia.

O primeiro passo passa por perceber quais são estes pensamentos e em que ocasiões surgem. Por exemplo, um pessoa que sofra de fobia quando é exposta a situações das quais é difícil “fugir” vai pensar “eu vou entrar em pÂnico e toda a gente vai achar que estou doido”. Este pensamento é o responsável pelo aparecimento do pânico e não a própria situação.

É importante libertar-se desses pensamentos. Na verdade é impossivel prever se vai mesmo ter o atque de pâncico e como as outras pessoas pode ou vai reagir. Deve enferntar os seus medos de forma gardual e, cada vez quesurgir um pensamento negativo, deve focar-se numa situação diferente, tentando evitar os sintomas físicos que irão surgir como consequÊncia do pensamento.

 

Beta-bloqueadores para tratar a ansiedade

Os beta-bloqueadores são medicamentos utilizados para tratar hipertensão e outras patologias cardíacas, no entanto também podem ser utilizados para tratar a ansiedade, nomeadamente os seus sintomas físicos.

Os beta-bloquedaores permitem bloquear os efeitos da norepinefrina, hormona que provoca ansiedade. Geralmente apresenta efeitos positivos no controlo de sintomas como taquicardia, tremores, sudurese e dor de cabeça.

Apesar de não produzir muitos efeitos no controlo dos sintomas psicológicos da ansiedade (preocupação constante, irritabilidade), os betobloqueadorores têm demonstrado serem eficazes no controlo de fobias, diminuindo a frequência de ataques de pâncio.

Estes medicamentos apresentam alguns efeitos secundários (pulsação lenta, tensão baixa e sono) mas não provocam dependência física ou psicológica.

Em situações em que são os sintomas físicos são os que mais perturbam a pessoas e em que as fobias provacam ansiedade o tratamento com beta-bloqueadores pode ser uma solução adequada.

Os beta- bloqueadores mais utilizados são o Inderal (propanolol) e o Concor (bisoprolol).

Depressão na gravidez

Muitas vezes as mulheres sofrem de depressão durante a gravidez. As causas são diversas: a depressão pode já existir antes ou pode ser provocada pelas mudanças homonais ou pela não aceitação da condição.

A depressão na gravidez deve ser diagnosticada atempadamente pois pode prejudicar a mãe e o bebé. As mães que sofrem de depressão têm tendência a descuidar a alimentação e o exercício e têm alterações hormonais mais acentuadas.

Os sintomas de depressão na gravidez são semelhantes a uma depressão comum (tristeza profunda, falta de interesse, irritabilidade e choro frequente), mas muitas vezes centram-se na rejeição da gravidez e na não aceitação da condição. Estes sintomas podem aparecer em qualquer fase da garvidez, mas devem causar preocupação quando permanecem por mais de duas semanas

O tratamento mais aconselhado durante a gravidez é a psicoterapia, pois ajuda a perceber a causa dos sintomas e melhorar a qualidade de vida da mulher. Também podem ser utilizadas algumas técnicas de relaxamento como a meditação ou acupuntura para ajudar a controlar os sintomas.

Os antidepressivos geralmente são contra-indicados na gravidez, mas em situações mais graves, os beneficíos destes medicamentos superam os seus perigos e a melher pode ser aconselhada a tomá-los durante a gravidez.

Desmame de Valium

O valium (Substência ativa Diazepan) é um dos ansíoliticos (calmantes) mais utilizados para tratamento da ansiedade,  ataques de pânico e outras patologias ansiosos.  É também utilizados como relaxante muscular para tratar contraturas e dores musculares.

O tempo maximo de utilização aconselhado é de três meses, mas geralmente o tratamento é bastante mais prolongado, aumentando o grau de dependência fisíca e psicológica.

Apesar de parecer resolver os problemas de ansiedade a rapidamente, a toma de valium tem diversos efeitos secundários como a sonolência, dificuldade de raciocínio, dores de cabeça, tensão baixa, etc.

O desmame (descontinuação) do valium tem de ser feita de forma muito lenta, devido aos intensos sintomas de abstinência que podem occorrer.

O tempo que demora o desmame total do  Valium varia muito de pessoa para pessoa e também da dose diária inicial. O ideal é reduzir cerca de 10% da dose inicial a cada 3 semanas. É normal que surjam alguns sintomas de abstinência, tais como:

  • Alterações do  humor (tristeza profunda)
  • Arritmias cardíacas
  • Dores de cabeça
  • Tremores
  • Boca muito seca
  • Dores musculares

Se estes sintomas forem muito intensos, deve aumentar o tempo de desmame (por exemplo reduzir 10% a cada 4- 5 semanas). Para um desmame correto deve comprar uma  balança digital precisa ou partir o comprimido com uma lânina bem afiada.

O desmame deve ser sempre acompanhado por um psiquiatra! Se for realizado em pouco tempo ou abruptamente pode ser muito perigoso e potencialmente letal. É necessária alguma paciência no desmame do valium. A meditação e outras técnicas de relaxamento ajudam muito a controlar os sintomas de abstinência.

Combater a Insónia

A insónia trata-se de uma perturbação do sono que impede  a pessoa de conseguir ter um sono repousante. Quando esta situação se torna muito frequente torna-se num problema grave, uma vez que diminui a capacidade de atenção e concentração da pessoa, afetando o seu dia a dia.

A insónia afecta cerca de 30-45% da população adulta mundial e as suas principais causas são as patologias ansiosas e depressivas.

Ficam aqui  algumas dicas fundamentais para combater a insónia e ter um sono reparador:

  • Mantenha um ambiente adequado no seu quarto, com pouco luz e arejado
  • Use a cama apenas para dormir!  Não veja televisão, leia ou coma na cama.
  • Faça algum exercício físico. Mas sempre mais de três horas antes de se deitar.
  • Medite! 5 minutos de meditação e respiração profunda ajudam a regularizar o sono
  • Evite bebidas com  cafeína
  • Faça uma lista de tarefas para o dia seguinte, assim vai limpar as preocupações da sua mente
  • Tenha uma alimentação saudável, rica em Omega3
  • Sempre que conseguir deite-se e levante-se à mesma hora
  • Deite-se apenas quando tiver sono
  • Não faça refeições pesadas antes de se deitar
  • Aposte nos chás calmantes

Reacção “Luta ou Fuga”

A reacção de luta ou fuga é a explicação de todo o prossesso de ansiedade e das suas consequências. Este é o mecanismo que o cerebro utiliza para proteger o corpo de situações perigosas.

Quando o nosso cérebro deteta uma ameaça, é desencadeada a libertação de determinadas hormonas no sangue, como a adrenalina e o cortisol. O objetivo é levar uma maior quantidade de sangue aos grandes musculos para protegeram o corpo. Para que isto aconteça o coração tem de bater mais rápido. A respiração rápida é também necessária, pois o corpo precisa de mais oxigénio para gerar energia.

Toda esta energia acumulada no corpo dá origem a diversas sensações corporais como os suores, as náuseas ou as tonturas. Todos estes sintomas preparam o corpo para lutar ou fugir de uma ameaça real ou imaginária.

Esta resposta é fisiológica e perfeitamente natural. Permite à pessoa reagir rápidamente a certas ameças, como fugir de um animal selvagem ou outros perigos eminentes. O que acontece nas pessoas que sofrem ansiedade é que estão constantemente a ativar a reação de luta ou fuga e todos as sensações por esta provocadas. A pessoa com ansiedade sente-se constantemente em alerta porque o cérebro erradamente associa as mais diversas situações a um perigo eminente e reage a esse perigo, que na verdade não existe.

Esta é a base da ansiedade e o ponto em que se deve investir para o seu tratamento. Apesar da medição ser fundamental para aliviar os sintomas, é indespensável uma alteração comportamental face ao dia-a-dia e aos problemas que surgem. Este aspeto é trabalhado na psicoterapia, de forma a alterar a percepção errada de perigo constante.