Arquivo mensal: Agosto 2015

Depressão vs Ansiedade

A depressão e a ansiedade são duas das perturbações psicológicas mais comuns. Apesar de não serem completamente opostas mas apresentam algumas diferenças significantes entre si.

A ansiedade prende-se com uma alteração na percepção do “perigo”. A pessoa ansiosa vive constantemente apreensiva em relação a algo, o que provoca um nervosismo incontrolável. Esta sensação estimula o mecanismo cerebral de “luta ou fuga” provocando constantemente sintomas físicos como palpitações, tremores, desmaios e dores musculares.

A depressão é um transtorno do humor e, portanto, as alterações sentidas prendem-se mais com as emoções. Os principais sintomas da depressão é o humor triste, o choro fácil, a incapacidade de tumor decisões e o desespero constante.  A pessoa com depressão perde o interesse pelas actividades diárias e mesmo por si mesmo.

Apesar de serem patologias distintas, é frequente que surjam em conjunto ou que uma dê origem ao aparecimento da outra. Em ambas as perturbações surgem alterações marcadas de humor e sintomas físicos bastante intensos e difíceis de controlar.  O tratamento destas patologias pode ser feito em conjuntos, pois a medicação (ansiolíticos e antidepressivos) reduz os sintomas e ajuda a tratar ambos os sintomas. A psicoterapia é também aconselhada em ambos os casos.

Técnicas de Relaxamento #10

O fim de semana é a altura ideal para relaxar! Deixar as preocupações do trabalho e pensar mais em si e no seu bem-estar. Hoje deixamos uma sugestão para relaxar e combater a ansiedade, assim como as dores musculares que esta provoca: O SHIATSU.

O Shiatsu é uma terapia de origem  oriental que combate dores de cabeça, dores musculares, insónia e sintomas de depressão através da pressão exercida com as mãos em pontos específicos do corpo.

Antes da realização da terapia, o terapêuta avalia o estado da pessoa a nível físico e emocional, para depois intervir nos pontos específicos que irão melhorar a qualidade de vida da pessoa e promover o seu bem-estar. 

Sendo uma terapia holística, que avalia o estado físico e psiquíco como um todo, o shiatsu tem também como objetivo de harmonizar as energias da pessoa, de forma a combater a ansiedade e depressão.

Além de aliviar as insónias e dores musculares, o shiatsu ativa a circulação venosa e linfática, promovendo o bem estar e prevenindo inúmeras patologias.

Tremores Causados Pela Ansiedade

Os níveis aumentados de stress fisíológico podem causar tremores numa parte específica no corpo ou mesmo de forma mais generalizada. Os locais mais conuns em que as pessoas referem sentir tremores são as mãos e as pernas.

Este sintoma pode ser bastante perturbador pois a sensação é um pouco “estranha”, é como uma agitação constante do corpo mas de forma “invisível”.  Em alguns casos o corpo (ou parte dele) pode mesmo termer de forma visível e incontrolável durante vários minutos ou memso horas.

Esta sensação é assustadora pois geralmente está associada a uma fraqueza generalizada. A pessoa sente-se encapaz de se por em pé ou executar as tarefas normais. Os tremores acabam por provocar ainda mais medo à pessoa, pois durante as “crises” são incontroláveis e limitadores. Muitas vezes as pessoas acham mesmo que estão a sofrer de um episódio complulsivo.

Os tremores resultam da libertação de energia excessiva acumulada no sistema nersoso. O sistema nervoso está constantemente a ser demasiado estimulado e esta é uma das formas que ele encontra para “descarregar a energia acumulada”. Muitas vezes a insónia  associada à ansiedade potencia também o aparecimento de tremores.

A melhor forma de eliminar os tremores é a prática de atividade física. Não durante o episódio de tremores, mas de forma regular para ajudar o sistema nervoso a libertar a energia acumulada e prevenir estes episódias. O relaxamento e a meditação são também esseniais para dimunuir os níveis de stress fisiológico.

Ansiedade Provoca Queda de Cabelo

A queda de cabelo é muito perturbadora e altera a sua auto-imagem. Por vezes é associada simplesmente a um processo natural, mas a verdade é que muitas vezes esta é causada por níveis de ansiedade aumentados.

A ansiedade provoca um aumento da secreção do Cortisol que é uma hormona responsável pela perda de cabelo. Além disso, a ansiedade é responsável por diversas alterações mo sistema circulatório periférico, o que provoca uma irrigação deficiente do couro cabeludo, potenciando a queda de cabelo e impedindo o crescimento de novos cabelos.

Em casos mais extremos de ansiedade pode ocorer a alopecia, ou seja a perda da totalidade de cabelo, numa determinada parte ou em toda a extensão do couro cabeludo. Isto acontece porque as hormonas que são libertadas devido à ansiedade, impedem o fornecimento de nutrientes ao couro cabeludo.

A solução para a perda de cabelo provocada pela ansiedade passa obrigatoriamente pelo controlo da mesma.  Este controlo pode ser feito através e medicação (ansioliticos e antidepressivos) mas deve ser complementado com psicoterapia e outras técnicas de relaxamento.

Ansiedade no Trabalho

Para quem sofre de ansiedade, o local de trabalho pode-se tornar um autentico pesadelo. O desânimo, a sobrecarga de tarefas e o cansaço são fatores que criam na pessoa um sentimento de improdutivadade e aumentam os níveis de ansiedade.

A ansiedade e a depressão são ainda um pouco estigmatizadas na sociedade e muitas vezes as pessoas têm tendência a esconder que sofrem destas patologias: sentem que não irão ser entendidas pelos colegas de trabalho e que podem ser olhadas de lado. Este fator contribui ainda mais para que a pessoa veja o local de trabalho como um ambiente adverso.

Por outro lado, a acumulação de tarefas, a sensação de sobrecarga e a exigência excessiva presente em muitos trabalhos faz com que a pessoa se sinta desmotivada e incapaz de cumprir os objetivos. Muitas vezes acaba por estar constantemente a pensar nestes fatores, memso depois de acabar o dia de trabalho.

É fundamental conseguir sentir-se bem consigo mesmo no trabalho, mesmo que este não lhe agrade. E, acima de tudo saber separar o trabalho da vida pessoal, procurando que não se efetem reciprocamente. Por isso, deixamos aqui algumas dicas que o ajudarão a controlar a ansiedade no local de trabalho:

  1. Faça pausas: mesmo que curtas, as pausas ajudam a libertar-se um pouco do stress e pensar noutras coias. Assim irá conseguir trabalhar com mais eficácia.
  2. Estabeleça prioridades: se a quantidade de tarefas que tem pela frente o poem completamente ansioso, pegue num papel e escreva tudo o que tem para fazer. Depois coloque por ordem as coisas mais importantes e siga essa ordem. Assim vai sentir-se mais orientado e menos nervoso.
  3. Penso Positivivo: pensar que não é capaz de realizar as tarefas ou que se sente infeliz vai piorar a sua situação. Procure dirigir os seus pensamentos para os aspetos positivos do seu trabalho ou mesmo para os momentos de lazer que se vão seguir a este
  4. Crie o seu espaço: se tem oportunidade de ter um espaço só para si, organize-o e decore-o de forma agradável. Utilize cores alegres ou memso aromas relaxantes. Mantenha sempre o espaço organizado, a confusão gera muitas vezes mais ansiedade.
  5. Não se isole: não parta do principio que os seus colegas não o vão entender ou o vão descriminar. Conviva com as pessoas que o rodeiam, principalmente com aqueles com quem se sente mais à vontade.

Ansiedade Provoca Espasmos Musculares

É frequente que as pessoas que sofrem ansiedade sintam os músculos tensos e doridos. Esta tensão vai originar dor, por vezes aguda e num sitio específico, outras vezes por todo o corpo durante bastante tempo.

O espasmos muculares são também uma consequência comum da ansiedade: a pessoa sente o espasmo num músculo específico do corpo, por vezes por diversas vezes, acompanhado ou não de dor.

A explicação para tudo isto é a ansiedade e a hiper-estimulação do sistema nervoso. É uma forma do corpo estar preparado para um “ataque eminente”. Quando os niveis de ansiedade e stress fisiológico aumentam o corpo tem tendência a provocar uma tensão excessiva nos músculos de forma a tornar o corpo mais “resistente”.

Vários estudos indicam que a ansiedade é o principal fator causador de espasmos musculares. Este sintoma pode ser bastante perturbador, uma vez que é incontrolável e pode durar vários dias, efetando a vida da pessoa. Por outro lado, é frequente que este sintoma seja associado a outras doenças neurológicas graves, e esta associação gera ainda mais ansiedade na pessoa.

É fundamental conseguir controlar a ansiedade para diminuir a frequência e intensidade deste sintoma. O exercício físico pode ser uma ajuda precisosa. Apesar de parecer contraditório, o exercício físico moderado ajuda à libertação de algumas hormonas que provocam o relaxamento.

Existem também outras técnicas para aliviar este sintomas, como os banhos de emerssão com água bem quente ou as massagens terapêuticas.  A prática regular de Yoga ajuda também a promover o relaxamento muscular.

Ansiedade e Dores de Cabeça

As pessoas que sofrem de ansiedade encontram-se mais predispostas a sofrer de dores de cabeça ou mesmo enxaquecas (dores de cabeça muito intensas).

Quando as pessoas sofrem de ansiedade é comum que os desconfortos emocionais sejam interpretados pelo cérebro como sintomas físicos bem localizados e definidos e um dos mais comuns é a dor de cabeça.

Não estamos com isto a dar a entender que a dor de cabeça é ficticia. Não, a pessoa de facto sente dores de cabeça e, por vezes, muito intensas. Também é frequente me pessoas que sofrem de depressão.

As dores de cabeça mais frequentes em pessoas que sofrem de ansiedade são as do tipo tensional, que se refletem em dores na parte de trás da cabeça, geralmente com irradiação para o pescoço e ombros.  Muitas vezes estas dores de cabeça são provocadas por tensão muscular excessiva.

Muitas vezes, as dores de cabeça são não só provocadas pela ansiedade mas também causadoras de mais ansiedade. Quem sofre de ansiedade está geralmente hipervigilante em relação a qualquer sintoma corporal. No caso das dores de cabeça,  é frequente que a pessoa com ansiedade tente associá-la a doenças graves e potenciamente fatais, como os tumores cerebrais. Estas associações provocam mais ansiedade e eventualmente o aparecimento de novas crises de enxaqueca.

Deve sempre consultar um médico e explicar-lhe os seus sintomas, para que  este possa despistar outras causas para a dor de cabeça. Existem diversos tratamentos não farmacológicos que ajudam a combater a dor de cabeça provocada pela ansiedade, como a acupuntura ou massagens terapêuticas para aliviar a tensão muscular.

 

Sintomas de Dependência de Ansiolíticos

Os medicamentos geralmente prescritos para tratar ansiedade, nomeadamente os ansiolíticos, apresentam um poder de habituação e dependência física e psíquica.  Estudos comprovam que, dependendo da dose que foi prescrita, em média , após duas semanas de toma regular de benzodiazepinas (calmantes ) a pessoa encontra-se dependente.

Os sintomas de dependência, assim como a dificuldade do desmame, aumentam consoante a dose que o paciente toma e a duração do tratamento.

Os principais sintomas que indicam que a pessoa se está a tornar dependente de uma substância ansiolitica são os seguintes:

  • Diminuição do estado de alerta
  • coordenação
  • Respiração lenta
  • Perda de memória
  • dificuldade na tomada de decisões
  • Alteração entre um humor ansioso e um humor depressivo
  • Dificuldades em manter a atenção
  • Alterações no sono
  • Irritabilidade

Todos estes sintomas indicam que a pessoa sofre de dependência. São mais evidêntes nas primeiras semanas de tratamento, mas nunca desaparecem completamnete. O desmame destas subtâncias deve ser feito de forma cuidadosa e muito progressiva. A abstinência repentina ou abrupta desta medicação pode produzir reações graves e aterrorizantes.  Em casos em que o tratamento é prolongado com doses elevadaa, uma abstinência abrupta pode ser potêncialmente mortal.

 

Sonolência excessiva

Um dos principais sintomas referidos pelas pessoas que sofrem de ansiedade é o cansaço ao acordar. O que acontece é que o stress provoca a libertação de uma grande quantidade de hormonas (cortisol e noroadrenalina) no nosso organismo, o que impede um sono reparador.

O facto de a pessoa já acordar cansada gera a sensação de fadiga constante, que muitas vezes leva a uma sonolência excessiva durante o dia. No fundo, o organismo nunca consegue descansar e chega a um ponto que tenta forçar essse descanso, fazendo com que a pessoa sinta uma sonolência diuna excessiva

Por outro lado, também a medicação utilizada para o tratamento da ansiedade, nomeadamente os ansiolíticos, podem  povocar sonolência diurna dependendo das horas a que são tomados e das respetivas dosagens.

O cansaço físico e mental constante provocado pela ansiedade é completamente desgastante e torna difícil a vida pessoal e profissional. As tarefas laborais ou mesmo os momentos de lazer com a família e amigos deixam de se tornar prazerosos devido ao cansaço e à falta de motivação.

Ficam aqui algumas dicas uteis para ajudar a combater o cansaço e a sonolência diurna:

  • Não se refugie nas bebidas com cafeína para se manter disperto e atento. Estas bebidas só vão aumentar o sue nível de ansiedade.
  • Praticar exercício físico é fundamental. Ajuda  a controlar as hormonas e a melhorar a qualidade do sono. No entanto, não deve ser praticado nas duas horas que antecedem a hora a que se vai deitar.
  • Mantenha-se hidratado, podendo apostar no consumo de chás calmantes ao longo do dia.
  • Evite refeições pesadas à hora do almoço: Se comer uma refeição pesada e em seguida for trabalhar vai inevitávelmente sentir sonolência.
  • Procure melhorar a qualidade do seu sono durante a noite: evite os estímulos no seu quarto (como a televisão ou o telémovel) e crie rotinas de sono adequadas.
  • Divirta-se: a diversão e a alegria proporcionados por momentos felizes ajudam a que se sinta melhor e que deixe de lado as principais preocupações.

Primeiros Sintomas da Depressao

A depressão afeta uma em cada 10 pessoas e é uma doença muito incapacitante, apesar de ser muitas vezes desvalorizada´-

Muitas vezes é difícil de identificar os primeiros sintomas da depressão. Aparentemente a pessoa pode estar apenas triste ou desmotivada. Mas a depressão vai muito para além disto…

Os primeiros sintomas possíveis de detectar numa pessoa que sofre de depressão são:

  • Alterações de humor:  a pessoa passa a sair a maior parte do tempo com um humor triste e indiferente em relação aos outros e ao mundo que a rodeia.
  • Alterações no apetite: este pode diminuir ou aumentar drasticamente
  • Alterações no sono: esteas alterações refletem-se geralmente em insónia durante a noite e sonolência excessiva durante o dia
  • Cansaço: um cansaço extremo acompanhado de falta de energia que começa logo de amanha
  • Desinteresse: é comum que a pessoa perca completamente o interesse pelas atividades que lhe agradavam, como hobbies.
  • Falta de concentração: a pessoa fica incapaz de manter a concentração e tomar decisões.

Face a estes sintomas é fundamental que se recorra a ajuda especializada de forma a obter o tratamento adequado.